segunda-feira, 22 de outubro de 2012

Igreja Batista e 400 Anos do Folheto de 1612


Prof. Dr. José Walle
Thomas Helwys (foto)(1550 - 1616) foi um advogado inglês e é considerado um dos cofundadores da Igreja Batista, junto com John Smyth, em 1609, na Holanda.

Helwys foi quem levou a congregação novamente para a Inglaterra, em 1611. No seu país de origem, ele escreveu o folheto Uma Declaração Breve do Mistério da Iniquidade, no qual alertava a monarquia a ser submter a Deus e uma crítica do papado e dos puritanos. Helwys tentou entregar pessoalmente este folheto ao rei Jaime I de Inglaterra, porém não conseguiu. O folheto foi encontrado na prisão, onde permaneceu Helwys até morrer. Em 2012, os batistas ao redor do mundo estão celebrando o 400º. Aniversário da edição do foheto de Thomas Helwys Uma Breve Declaração do Mistério da Iniquidade (1612), considerado por muitos historiadores como a primeira publicação em inglês advogando a liberdade religiosa para todos. Este aniversário é uma oportunidade de fazer lembrar aos batistas e a outros grupos religiosos a importância desse legado e também de refletir sobre a condição atual da liberdade religiosa no mundo contemporâneo.

John Smyth (1570 — 28 de agosto de 1612) é considerado por muitos historiadores o fundador da Igreja Batista, junto com Thomas Helwys, no ano de 1609. Foi ordenado ministro da Igreja Anglicana em 1594. Após um certo período, uniu-se aos congregacionalistas, tornando-se um dissidente inglês.

Em 1608, Smyth, Helwys e vários membros da congregação inglesa, em Gainsborough, emigraram para a Holanda, em busca de tolerância religiosa. Lá eles tiveram contato com membros da Igreja Menonita e aceitou a doutrina do batismo de adultos (há dúvidas se foi por aspersão ou por imersão).

Outros fatos marcantes de sua teologia foram o arminianismo, disciplina espirtual rígida e o reconhecimento de duas lideranças na igreja: pastor e diácono. Antes de sua morte aderiu à Igreja Menonita, sendo que o trabalho de continuação da Igreja Batista foi tomado por Thomas Helwys.

Roger Williams (21 de dezembro de 1603 - 18 de abril de 1683) foi um teólogo batista Inglês, um notável defensor da tolerância religiosa e da separação entre igreja e estado, além de ser um defensor de relações justas com os nativos americanos. Em 1644, ele recebeu uma carta de criação da colônia de Rhode Island e a fundação de Providência, nomeado para a resolução que previa um refúgio para as minorias religiosas. É creditado frequentemente a Williams a origem da Primeira Igreja Batista na América. Ele é conhecido por ter deixado logo depois, exclamando: "Deus é grande demais para ser alojado sob um mesmo teto".

A Igreja Batista

A Igreja Batista é caracterizada pela rejeição ao batismo infantil, optando em seu lugar pelo batismo de fé, sempre através da imersão. O nome é derivado de uma comissão para que os seguidores de Jesus Cristo, que já seguiam outras denominações, fossem rebatizados (sendo seu primeiro nome "Anabatistas", aqueles que batizam de novo) os batistas interpretam o batismo — imergir em água — como uma exposição bíblica e pública de sua fé. Enquanto o termo "batista" tem suas origens com os anabatistas, e às vezes foi visto como pejorativo, a denominação historicamente é ligada aos dissidentes ingleses, ou movimentos de anticonformismo do século XVI. O movimento batista surgiu na colônia inglesa na Holanda, num tempo de reforma religiosa intensa.

Os batistas tipicamente são considerados protestantes históricos. Alguns batistas rejeitam essa associação. A maioria das igrejas batistas escolhem associar-se com grupos que fornecem apoio sem controle. A maior associação batista é a Convenção Batista do Sul dos Estados Unidos, mas, há muitas outras associações de batistas no mundo. No Brasil, as maiores são a Convenção Batista Brasileira e a Convenção Batista Nacional.

As Igrejas Batistas formam uma família denominacional protestante de origem inglesa. A história academicamente aceita sobre a origem das Igrejas Batistas é a sua incepção como um grupo de dissidentes ingleses no século XVII. A primeira igreja batista nasceu quando um grupo de refugiados ingleses que foram para a Holanda em busca da liberdade religiosa em 1608, liderados por John Smyth, um clérigo e Thomas Helwys, um advogado, organizaram em Amsterdã, em 1609 uma igreja de doutrinas batistas. John Smyth discordava da política e de alguns pontos da doutrina da Igreja Anglicana da qual ele era pastor após uma aproximação com os menonitas e, examinando a Bíblia, creu na necessidade de batizar-se com consciência e em seguida batizou os demais fundadores da igreja, constituindo-se assim a primeira igreja batista organizada. Até então, o batismo não era por imersão, só os batistas particulares por volta de 1642 adotaram oficialmente essa prática tornando-se comum depois a todos os batistas. A primeira confissão dos particulares, a Confissão de Londres de 1644, também foi a primeira a defender o imersionismo no batismo.

Depois da morte de John Smyth e da decisão de Thomas Helwys e seus seguidores de regressarem para a Inglaterra, a igreja organizada na Holanda desfez-se e parte dos seus membros uniram-se aos menonitas. Thomas Helwys organizou a Igreja Batista em Spitalfields, nos arredores de Londres, em 1612. A perseguição aos batistas e a outros dissidentes ingleses, fez com que muitos emigrassem. O mais famoso foi John Bunyan, que escreveu sua obra-prima O Peregrino enquanto estava preso. Nos Estados Unidos, a primeira igreja batista nasceu através de Roger Williams, que organizou a Primeira Igreja Batista de Providence em 1639, na colônia que ele fundou com o nome de Rhode Island, e John Clark que organizou a Igreja Batista de Newport, também em Rhode Island em 1648. Em terras americanas os batistas cresceram principalmente no sul, onde hoje sua principal denominação, a Convenção Batista do Sul, conta com quase 15 milhões de membros, sendo a maior igreja evangélica dos Estados Unidos.

Os Anabatistas

Os Batistas não tem nada a ver com a Seita Batista Intermediária, entre judaísmo e cristianismo, ou seja, essenianismo das iniciais JJJ (João-Jordão-Jerusalém). João, profeta, o batizador (daí João Batista) no rio Jordão na cidade de Jerusalém. Os verdadeiros seguidores de João Batista aceitaram o autêntico batismo de Jesus Cristo. Só pode ser verdadeiramente batismo cristão em nome da Santíssima Trindade, na ou para vivência em comunidade fraternal (não ao sectarismo) e na pessoa do batizador de sucessão apostólica. Outros seguidores de João Batista tiveram fim com a diáspora, os essênios, e outros permaneceram no judaísmo.

Os anabatistas do século XVI são frutos de uma reforma radical contra pré-reformadores, reformadores, contrareforma e pós-reforma. Surgiram vários grupos anabatistas, com doutrinas e práticas diversas. Por rfim, eram contra entre si de maneira fanática. Exemplo maior foi à tragédia de Münster, em 1535. Toda essa tragédia e perseguição por causa do batismo infatil e o rebatismo. Que infatilidade! Oh visão tão pequena diante da grandiosa e maravilhosa graça e do amor de Cristo. Quantos batismos Jesus realizou? E São Paulo Apostólo foi chamado para pregar ou batizar? O batismo salva? Escreve o renomado historiador batista americano Earle L. Cairns: “A tragédia de Münster de 1535, liderada por alguns anabatistas radicais e quiliastas, serviu para distanciar os anabastitas de Martinho Lutero e demais reformadores”. Dos anabatistas surgiram: Batistas Calvinistas, Arminianos e Livres. A maior igreja pentecostal do Brasil, Assembleia de Deus, surgiu de uma divisão da Primeira Igreja Batista em Belém do Pará em 1911.


Local:Volta Redonda (RJ)

Nenhum comentário:

Postar um comentário